martes, 9 de diciembre de 2008

Na margem do lago Titicaca sentei e chorei

Sentado numa pedra da minha altura e bem gorda, tirando fotos tendo o lago Titicaca à minha frente, como um quadro que nem o pintor mais atrevido ousou pintar. Estou bem perto de onde a água, depois de muito percorrer, vem benzer com o último beijo essas pedras tão vivas como eu. Fecho os olhos. Escuto o lago cantar. Vejo um barco com três pessoas. Estão perto, posso ver seus rostos. Neste pequeno barco de madeira estão Seu Jair e Seu Milton. O terceiro é o outro Jair, meu cumpadre. Eles jogam cartas. Caixeta, creio. Seu Milton e Seu Jair usam chapéu. O cumpadre, sorrindo feito criança brincando de roda, tem posto uma camisa azul com cinco estrelas no peito. Estão tão lindos e felizes! Gritei e acenei; me devolveram o cumprimento. Não sei por quê cargas d`água, talvez por duvidar da realidade dos fatos, abri os olhos numa pressa olímpica, para que nada me escapasse à vista. Vi, lá no fundo, quase sumindo naquele azul cor de infinito paraíso, o pequeno barco com os três. E, chorando, nos acenamos pela última vez.

Copacabana - Bolívia
30/11/08

Minha Viola (Raul Varella Seixas)

Eu tenho uma viola
que canta assim
Minha dor ela consola
Quando eu saí do meu sertão
Não tinha nada de meu
A não ser esta viola
Que foi meu pai quem me deu
E pelo mundo eu vou andando
Subo monte, desço serra
Minha viola vou tocando
relembrando a minha terra
E quando a tarde vai morrendo
vou pegando minha viola
Se estou triste e sofrendo
ela é quem me consola
Cada nota é um gemido
Cada gemido é uma saudade
De saudade estou perdido
viola, nessa eterna "solidade"
De saudade estou perdido
viola, nessa eterna "solidade"
E nesse sertão dos meus amores
quando me ponho a tocar
Emudecem seus cantores
para nos ouvir cantar
Canta a minha alegria
canta para eu não chorar
Entrarei no céu contigo
quando minha hora chegar.

5 comentarios:

mpimenta dijo...

Li. Me emocionei. Não sei o que dizer.

Boa viagem de volta, companheiro!

Beijos,
Pimenta

Maíra Vasconcelos dijo...

É com os olhos marejados que agora não sei o que escrever aqui.....

apenas sei que é muito grande a saudade dos três navegantes...

Gustavo Rodrigues S. Dias dijo...

...É que às vezes realidade e ilusão se misturam...

Grande abraço!
Grande volta!

Anónimo dijo...

É, acredito que os três estão juntos, em algum lugar, nos vendo de lá...saudades...

Beijos...e volta logo!!

Anónimo dijo...

... e a dificuldade de encontrar forças em nós mesmos para seguir em frente...

Grande beijo,
Luiza